sábado, 6 de agosto de 2011

DEIXA CHEGAR



DEIXA CHEGAR


Deixa chegar
Na explosão dos segundos
Consumidos de saudades
Deixa chegar
Na impossibilidade do tempo
Consumidos de inverdades
Deixa chegar
Na alma inquieta dos anjos
Consumidos de lembranças
Deixa chegar
Na silenciosa melodia do vento
Consumido pelos desertos
Deixa chegar

IMG google

Um comentário:

  1. De alguma forma sempre chegará. Lindo e profundo poema, beijos.

    ResponderExcluir